SANTAROSA BARRETO

A Luta

27 de Novembro - 12 de Janeiro

Ditar as regras: essa sempre foi a vontade política e a maneira pela qual se disputa política. Os diretórios sindicais e partidários dizem uma coisa, os empresários uma outra, movimentos independentes negam ambas; mas todos indicam com a mesma clareza e convicção o caminho pelo qual você deve seguir e o modo como você deve segui-lo.

 

Dentro da vitrine do arte_passagem, a artista Santarosa Barreto insere uma espécie de saco de boxe, feito com couro sintético vermelho. Em sua superfície está serigrafado um texto. Seus versos são marcados por um ritmo repetitivo, que simula uma luta – uma luta onde falta espaço para respirar. A tipografia usada para a impressão desse texto insistente foi concebida por uma mulher, aspecto fundamental para a artista que se identifica com uma luta feminista. Ao mesmo tempo, o cromatismo vermelho e preto denota uma estética anarquista.

Tomando o centro da cidade como um lugar de disputa de narrativas e efervescência política, a intervenção de Santarosa Barreto entra no ringue para salientar a imposição sufocante dos "supostos donos da luta".